Conforme o prometido, a Lorentz publicou/está por publicar uma história referente a cada década de existência de Dylan Dog. A primeira revista da editora trouxe o clássico“Retorno ao Crepúsculo”, história publicada em junho de 1991 na Itália. A segunda, “Manchas Solares” – considerada um dos melhores roteiros de Pasquale Ruju,  foi publicada em agosto de 2002. Para completar a tríade, a editora escolheu uma história especialíssima: “Mater Morbi”, publicada na série regular em dezembro de 2009.

O roteiro desta história fica a cargo de Roberto Recchioni (talvez o mais influente roteirista da atualidade),  responsável editorial de Dylan Dog e coordenador da “reinvenção” do personagem, realizada em 2015 pela Bonelli. Os desenhos são de Massimo Carnevale, excepcional desenhista da nova geração de Dylan Dog.

A história gira em torno de Dylan Dog. Nela, ele tem de enfrentar o seu maior medo: a deterioração do próprio corpo devido a uma doença desconhecida e talvez até incurável.

“Mater Morbi mexe com o horror interior da implacabilidade da doença. O fetichismo de Mater Morbi é a metáfora para os sentimentos de solidão e impotência face à decadência da doença. Uma história atípica de um personagem já de si atípico, com status merecido de culto. O argumento brilhante e premiado de Roberto Recchioni ganha uma vida lúgubre na ilustração expressiva de Massimo Carnevale, num poderoso trabalho de luz e sombra que confere um enorme peso à história.”

Artur Coelho, blog “aCalopsia”

“História atípica na cronologia do protagonista, longe da ironia que costuma prevalecer e do terror narrativo – que na verdade também está aqui presente e até num nível bem mais incómodo porque mais próximo da realidade e longe da ficção – Mater Morbi, que decorre numa fronteira indefinível entre o palpável e o irreal, centra-se em Dylan Dog e nos seus terrores mais íntimos, nas suas dúvidas e perplexidades perante a vida, nas suas incertezas sobre o fim da estadia na terra para o ser humano.”

Blog “As Leituras do Pedro”

“A coisa que me deixou mais orgulhoso foi que, depois de ter lido a história, Tiziano Sclavi quis conhecer-me e deu-me os parabéns. Mater Morbi, para mim, mudou tudo. E, de alguma maneira, tendo em conta o cargo que ocupo atualmente, mudou muita coisa também para Dylan Dog.”

– Roberto Recchioni, autor de Mater Morbi

Por conta do altíssimo nível apresentado a termos de roteiro e desenho, a edição recebeu tratamento de luxo por parte das editoras “Bao Publishing”, “Epicenter Comics” e “Levoir”, sendo publicada inclusive em formato gigante e com capa dura. A edição americana (Epicenter Comics) foi condecorada com o Ghastly Awards de 2016, como “melhor graphic novel de terror”.

Mater Morbi foi lançada no Brasil em dezembro de 2017. Para mais informações, contate a Editora Lorentz via facebook.